25 de novembro de 2009

Walking alone on the ice


Quantas vezes achamos que seria o nosso fim, que determinados momentos, seriam nossos ultimo momento de felicidade, nossos últimos momentos em que realmente estamos juntos, transformando corações em um só, lembrando a cada instante que amamos a pessoa que se encontra do nosso lado, e tendo sempre, a certeza de que poderemos contar com essa pessoa, que seremos sempre felizes como essa pessoa.. Quantas vezes mentimos para nós mesmos, ao falarmos que não queríamos mais um ao outro, quantas vezes erramos um com outro, inúmeras nos perdoamos e garanto que se não em todas, na imensa maioria das vezes, sentimos falta um do outro, não importando o por que da ausência. É realmente difícil achar um encaixe, tão perfeito e ao mesmo tempo tão complicado, não foi impossível, foi difícil, realmente difícil. Deixa-lo ir embora era a ultima coisa que eu desejava nesse momento da minha vida, mas seria muito egoísmo da minha parte, não entender -ou pelo menos tentar- que as vezes, precisamos sair de perto de tudo isso mesmo, esses problemas, essas brigas. É necessário, e faz bem. O que eu me recuso a entender, é que terei que sentir sua falta por muito tempo, meses, quem sabe mais do que isso, mais do que simples meses; Eu não quero me acostumar com a ideia de que não o verei mais, e tenho muito medo de acostumar-me. Acho, que no momento meu maior medo é esse, e eu não quero fazer meus medos se tornarem realidade. Não quero MESMO.

2 comentários:

The Ice Girl. disse...

Recomeçar é preciso sempre... Quantas e quantas vzs nos vemos em momentos derradeiros em inúmeras situações, e como q por mágica, conseguimos forças pra recomeçar?! Faz parte da vida, e da condição humana.
Lindo texto, parabéns.

Alana. disse...

Concordo! Recomeçar, além de ser preciso, é uma força vital, que a vida dá. :)